A cada viagem

Blog do Renato Nalini

Quando viajo de carro, sinto-me sempre em casa. Estou no chão firme. Aprecio a paisagem. Gosto do interior. Ali parece que a crise é menos violenta. É só o governo não atrapalhar que as coisas continuam.

Mas quando viajo de avião, não deixo de pensar que se Deus quisesse que voássemos, nos teria dotado de asas. Assim como fez com os pássaros. Fico pasmo, depois de tantas viagens, com o fato de uma tonelagem imensa pairar no ar. Atemoriza-me atravessar o oceano. Como se fosse diferente cair em terra ou no mar. Talvez a vã pretensão de que em terra é possível reconhecer os corpos, mediante um bom exame de DNA. Já no mar! Que o digam Ulysses Guimarães e Severo Gomes, naquele fatídico voo de helicóptero entre o Rio e Ubatuba.

Quando fui ao Japão, nas vinte e seis horas de viagem, só com a parada em Los Angeles…

Ver o post original 237 mais palavras

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s